quarta-feira, 24 de outubro de 2012

Portugal na 1ª Guerra Mundial

Em Portugal, com Bernardino Machado na presidência da República, a Alemanha em 9 de Março de 1916 declara guerra a Portugal. E foi o General Norton de Matos (mais tarde candidato às eleições presidenciais de 1949), Ministro da Guerra entre 1915 e 1917, com a colaboração do General Fernando Tamagnini, o responsável pela organização do Corpo Expedicionário Português (CEP) que no centro de instrução de Tancos (o chamado milagre de Tancos ) se transformaram em soldados aptos e capazes para um conflito duro, homens que pouco tempo antes, tinham uma vida civil, pacata e tranquila.

Neste cartaz de 1916 depois do governo britânico, a 16 de Fevereiro, solicitar a intervenção de Portugal na 1ª Grande Guerra, o Rei Jorge V de Inglaterra e o Presidente da República portuguesa Bernardino Machado 

                                              
                                 Foto in: "Bernardino Machado"
                 
      Outro cartaz de 1917
                                                       

Na foto a seguir (da esquerda para a direita): O comandante do CEP (Corpo Expedicionário Português) general Fernando Tamagnini de Abreu e Silva, o general inglês Hacking e o comandante da 2.ª Divisão General Gomes da Costa. Na outra foto o CEP de partida.


   


Ao chegarem à Frente Ocidental as tropas portuguesas adaptaram-se rapidamente à guerra de trincheiras, mostrando grande eficiência e espírito combativo. No entanto as condições foram piorando ao longo dos tempos, sobretudo devido à falta de reforços que impediam a substituição e descanso das tropas. Esta situação era agravada por outros factores tais como o Inverno frio e húmido, muito diferente do que o que os portugueses estavam habituados. As condições foram-se agravando a tal ponto que o Comando do 1º Exército Britânico decidiu a rendição das tropas portuguesas por tropas britânicas, com o objectivo de permitir o descanso daquelas. É justamente no dia previsto para a rendição do CEP que se dá a ofensiva alemã e a Batalha do Lys, apanhando as forças portuguesas numa posição completamente desfavorável.


         Presidente Bernardino Machado em França                      Prisioneiros portugueses da Batalha de La Lys
 


          Telegrama do Presidente da República Bernardino Machado ao comandante do CEP General Tamgini  
 
                                                  
                                                                                          Foto in: "Bernardino Machado"


Com a ofensiva "Georgette" dos alemães, montada por Ludendorff, os portugueses, não motivados e muito mal preparados, acabaram por sofrer uma derrota estrondosa na Batalha de La Lys (sector de Ypres), em 9 de Abril de 1918, logo após a derrota do Exército Britânico em Arras. Não se pode definir um tempo de duração da fase inicial da ofensiva do Lys sobre a 2.ª Divisão do CEP, contudo, tendo começado o bombardeamento preparatório às 4h15 da madrugada de 9 de Abril, a última resistência dos Portugueses só cessou próximo do meio-dia de 10, em Lacouture. Os Portugueses tiveram cerca de 7.000 baixas, sendo que o maior número foi de prisioneiros por terem sido cercados pelos flancos da Divisão, como se comprova pelo facto de os Alemães lhes surgirem pela retaguarda, próximo das 11 horas da manhã. Essa derrota já era esperada pelo comandante do CEP general Fernando Tamagnini de Abreu e Silva e pelo comandante da 2.ª Divisão Gomes da Costa e pelo Chefe do Estado-Maior do Corpo, João Sinel de Cordes, que por diversas vezes avisaram o governo de Portugal e o comando do 1º Exército Britânico, das dificuldades existentes. 

Regresso dos prisioneiros de guerra portugueses, da Alemanha a bordo do navio inglês Northwestern Miller, em 1919 
                                           

                                                                                  E em 1921 ... 
                                              
                                                    Foto in: Biblioteca Nacional Digital
                Monumento aos Heróis Combatentes nesta  1ª Grande Guerra, na Avenida da Liberdade em Lisboa
                                                 
                                                    Foto in: Biblioteca de Arte-Fundação Calouste Gulbenkian

Nenhum comentário:

Postar um comentário

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...